Wednesday, November 14, 2007

Rino quê?

Depois de ter estado 2 dias em casa a tentar recuperar de uma constipação por via de mezinhas, auto-medicação e muito cobertor, lá me decidi que se calhar era melhor ser vista por alguém experiente na matéria e fui hoje ao médico. Melhor dizendo médica. E é nestas ocasiões que nos apercebemos do verbo Esperar. Ainda mais quando temos de esperar num sistema público de saúde e nas urgências.Cheguei ao centro às 11h30 e saí às 13h30 (nada mal para quem já aguentou 6 horas no hospital São José por uma consulta de oftalmologia. Mas isso é outra história....).
Portanto, cheguei ao centro e esperei na sala de espera, que não é mais do que isso. Uma sala onde se espera e desespera. A unica diversão é olharmos uns para os outros, abanarmos a cabeça de vez em quando dizendo entredentes "Realmente...só neste país".
Como ainda fiquei algum tempo, resolvi aplicá-lo observando. Mesmo ao meu lado estava uma mãe ainda nova acompanhada do seu filho que deveria ter 8 anos. O miúdo para se entreter jogava no telemóvel e ia dizendo algumas palavras, menos delicadas enquanto jogava. Uma vez irritado por não estar a conseguir que a tecla 5 do telemóvel funcionasse, voltou a expressar-se delicadamente dizendo para a mãe:"F.... mas eu vim contigo para isto?" A mãe madou-o calar suavemente agindo como se nada se passasse e acabaram por jogar à sardinha.
Entretanto uma senhora que estava à espera levantou-se e foi colocar uma questão à docente que estava no balcão de atendimento. Depreendi que tinha perguntado quando iria ser atendida porque logo de seguida a docente diz-lhe: "Compreendo, compreendo, e tem toda a razão. Mas é a Drª que faz a sua agenda e selecciona as pessoas. Nós de manhã damos-lhe a lista com as pessoas por ordem de chegada mas ela é que decide quem chama.." A senhora que tinha colocado a questão ainda perguntou quais os critérios dessa mesma chamada: "Amigos da Drª? Conhecidos? Pacientes assiduos?"
Não conseguindo obter respostas lá se voltou a sentar para continuar à espera.
Uma outra senhora (sim, a sala estava quase toda com senhoras)ia reclamando muito sarcasticamente enquanto esperava: "Para a próxima já sei. Marco para as 10 e apareço às 13h..... deixam uma pessoa assim à espera..estão pessoas à espera de uma consulta anos e quando as chamam já morreram...... atendimento particular é o que é. Gasta-se mais mas não se morre à espera." Quando estou para começar a analisar uma senhora já de idade que tinha acabado de entrar na sala, oiço o meu nome.
Sou vista pela médica e é-me diagnosticada uma rinofaringite. Não...não tem nada a ver com rinocerontes. Trata-se de uma inflamação na faringe e vias nasais.
E assim se passa uma manhã.

4 comments:

TITI said...

Claro que não me admira essa situação..já vi piores..
Rino..quê? não terá a ver com o estado:-"Desnaturado?"
Beijos e votos de um bom rápido regresso da "selva"

Danço, pois said...

olá minha titi!
Já vi o seu blog e gostei muito. Os meus Parabéns. Estamos a tratar da Avó Rosa ;)
Entretanto vou tratar da minha Rino-desnaturação (?). Beijinhos.

Tijuca said...

« Saber Esperar» é uma grande virtude!...Também esperei 9 meses e valeu a pena!Foi num belo dia de Agosto do ano de 1979...Beijinhos.

Danço, pois said...

:)))